Eutanásia. - Entre os Meus Dias

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Eutanásia.

Como disse Séneca, a vida, qualquer homem a pode parar; mas a morte é imparável. 

E é verdade enquanto estamos cá podemos terminar com a nossa vida se o quisermos, mas todos sabemos que um dia vamos morrer.

Eutanásia, um assunto tão controverso e que poucos ousam falar, quase que tabu pelo menos em Portugal onde é proibida.
Só na Bélgica, Holanda, Luxemburgo e em alguns estados dos EUA ela é permitida.

Já assisti a vários debates sobre esse “assunto” e sinceramente sempre fui a favor.

Para quê prolongar o sofrimento físico e psicológico a alguém que já nada tem a ganhar em estar vivo?  Na minha profissão vejo tanto sofrimento, tanta tristeza, dor física e emocional, pessoas em perfeitas condições psíquicas que se apercebem do que se passa e que só pedem um minuto sem dor, é terrível! 
Agonizante para elas, para a família e para quem lida com elas. Tenta-se apaziguar a dor dessas pessoas com medicação, com conversas, mas e quando já nada disso surte efeito?

Também há casos e aí eu não concordo em absoluto, em que as pessoas que vivem sós, sem companhia e que se sentem desmotivadas, sem alegria de viver, fartas de uma existência que nada lhes traz de positivo, pedem a eutanásia, aí não!

A vida é demasiado valiosa para se por termo a ela sem que seja por sofrimento físico.

Mas há dias em conversa com amigos onde esse era o tema, a Eutanásia, perguntaram-me e se fosse alguém da tua família? Concordavas? Pois… nunca tinha pensado nisso e realmente não soube responder nesse dia, nem hoje.

Quando é os “outros” tudo é muito simples, mas e se for alguém meu?

Complicado.

29 comentários:

  1. Eu às vezes dou comigo a pensar que sou a favo.....mas depois surge a dúvida...


    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  2. Uma boa pergunta ... e se fosse um dos nossos!?
    Eu ... não sei como reagiria!
    ...
    Termino aqui o nosso passeio pelo LUSO:
    https://crocheteandomomentos.blogspot.pt/2018/01/villa-missi-no-luso.html

    Ovo estrelado só há um mas … experimentar esta sugestão pode ser bem agradável:
    https://ospetiscosdagracinha.blogspot.pt/2018/01/ovo-estrelado-no-forno.html

    Bj e ... sinta-se bem FELIZ!!!

    ResponderEliminar
  3. Sempre concordei como tu com a eutanásia, lindona. Sabes qual foi o meu pensamento quando o meu pai morreu, assim de um dia para o outro? Ja nao sofre mais... por muito q me custasse, foi melhor assim do que ve-lo sofrer...
    Beijinhosss minha querida*
    https://matildeferreira.co.uk/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei Matilde, mas serias capaz de aceitar a eutanásia?

      Eliminar
  4. É um tema bastante controverso, de facto! E sinto que serão sempre mais as dúvidas do que as certezas. Em parte, acho que ninguém tem o direito de tirar a vida seja a quem for. No entanto, por outro lado, pergunto-me o seguinte: Vivemos. Mas a que custo?
    Claro que é extremamente doloroso ver partir alguém que nos é próximo. Ou, na pior das hipóteses, decidir o seu futuro. Mas acho que é ainda mais grave prolongar-lhe o sofrimento. As pessoas merecem que o seu final de vida seja digno!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um fim de vida digno é o que todos queremos Andreia, mas quando isso não é possível deve ser muito difícil, para a familia, entender e aceitar, tal decisão.

      Eliminar
  5. Concordo contigo Mena, especialmente depois de assistir ao sofrimento do meu pai, mas eu não conseguiria nunca tomar a decisão....

    ResponderEliminar
  6. Sou a favor se a pessoa estiver em estado terminal e for essa a sua vontade.
    Mas, é difícil colocamo-nos nessa situação ...

    ResponderEliminar
  7. Nunca consegui chegar a uma conclusão sobre o assunto. Sobretudo depois de me ter visto quase a "passar para o outro lado", parece que ganhei mais apego à vida e não me consigo decidir contra ou a favor.
    Tratando-se de um familiar, então a minha indecisão ainda é maior desde que tive que mandar abater a minha "Nina". Se o facto de ter decidido abater a cadela (depois de um ano a adiar) ainda me tira o sono, imagino o que seria por um familiar...
    Não me consigo decidir a favor ou contra a eutanásia. Só mesmo sendo confrontado com um caso real e, mesmo assim, não sei se teria coragem. Penso que seria uma decisão terrível que me deixaria marcas indeléveis na consciência. Pode ser cobardia minha, mas, pelo amor da santa, se tiverem que se matar, façam-no sem o meu consentimento.

    ResponderEliminar
  8. O meu paper de fim de estágio de advocacia (naquele tempo era assim, não havia exames), foi sobre a eutanásia.
    E o meu pai, muitos anos mais, tarde quando estava Filosofia na Universidade, ainda lá foi buscar alguns elementos.
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Situações muito complicadas. Gostei de ler :)

    Do Gil, que se econtra melhor, mas não a 100%:- »» Térreos e difíceis caminhos ... de amor

    Bjos
    Votos de uma feliz Quinta Feira

    ResponderEliminar
  10. Não consigo ter uma opinião formada sobre este tema...

    ResponderEliminar
  11. Um tema muito, mas muito complexo, que pode ser uma faca de dois gumes.
    De qualquer modo, dependendo das circunstâncias, tendo mais para pró do que para contra, mas...

    Beijinhos.

    ( vamos ver se este comentário chega ao destino )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fiz questão de vir ao PC, nao fosse (evaporar-se) novamente :)

      Eliminar
  12. Também sou a favor, mas a discussão não é nada linear.

    ResponderEliminar
  13. Olá, ser ou não ser é a questão, ser ou não ser tem que ser argumentado, ser ou não ser, pessoalmente sou totalmente contra o sofrimento físico, quando se chega a um ponto na vida que só resta diariamente o sofrimento físico, muito que custe para os amigos ou familiares, a pessoa que sofre tem todo o direito de escolher se prefere viver com sofrimento ou acabar com ele de vez, todo o ser vivo tem direito à sua dignidade e privacidade, assim como escolher o que pretende com o seu corpo, sabemos que os moralistas católicos influenciam contra a eutanásia, como se eles fossem um exemplo para a humanidade.
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo contigo!! mas a questão é: se fosse um dos nossos familiares.

      Eliminar
  14. A passar por cá para desejar bom fim de semana!


    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  15. Eu também sempre fui a favor, mas, quando se trata dos "nossos" a decisão é sempre muito mais complicada!

    amarcadamarta.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  16. Nem mais, eu também concordo com o facto de que há sofrimento pelo qual ninguém devia passar mas, se fosse alguém da minha família eu não ia conseguir dizer que sim. Beijinhos*

    ResponderEliminar
  17. r: É verdade, aquele excerto da página 30 define-nos muito!

    Sem dúvida ahahahah

    Beijinhos, minha querida <3

    ResponderEliminar
  18. Também não sei o que pensar sobre este assunto. Por um lado, é verdade que ninguém tem o direito de sofrer interminavelmente mas por outro é difícil aceitarmos ver alguém que nos é muito querido partir. Até não ter uma posição definida, continuo a ser a favor da ortotanásia (em que o doente é tratado de modo a que não sofra mas não é ligado a nenhuma máquina de suporte de vida).

    ResponderEliminar