Provavelmente fui o que realmente quis ser. - Entre os Meus Dias

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Provavelmente fui o que realmente quis ser.

 (carta de um velho ao mundo)

Quando leres estas palavras provavelmente já terei morrido. É tão simples perceber a inutilidade das palavras quando “morte” tem apenas cinco letras e acaba com tudo. O que deixo para trás não sei dizer. Deixo a certeza de que fiquei sempre aquém do que pude ser. Fui sempre quase o que quis ser, e provavelmente foi isso, apenas isso, o que realmente desejei ser.

Pequeno excerto do livro "Prometo Perder" de Pedro Chagas Freitas.


Identifico-me muito com este pequeno texto.

A morte não me mete medo (o sofrer sim!) mas quando eu partir deste mundo dos vivos, irei com certeza de consciência tranquila, (tipo: dever cumprido) falhei em algumas coisas, claro que sim, mas fui sempre o que quis ser, não fiz tudo o que queria fazer, (até hoje) não magoei ninguém de propósito, ajudei muitas pessoas, ajudei a ajudar, outras.


Provavelmente fui o que realmente quis ser.

9 comentários:

  1. Gostei dos testos e também não temo a morte...Só queria poder ver meu neto que crio encaminhado...bjs, chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E claro que vais ver, tudo a seu tempo.
      Beijinho

      Eliminar
  2. Acho que realmente é aquilo que temos que tentar alcançar: quando partirmos, temos que ir com sensação de felicidade e de dever cumprido.

    My Own Anatomy ✨

    ResponderEliminar
  3. Gosto tanto da tua forma de ver as coisas, a mim a morte tambem nao me assusta, so me assusta o facto de deixar quem mais amo...
    Beijinhosss nossos*
    https://matildeferreira.co.uk/

    ResponderEliminar
  4. Quando se é o que se quer ser, nada há a temer amiga. Que o consigas sempre. Bjs

    ResponderEliminar