Fomos felizes e não sabíamos. - Entre os Meus Dias

sábado, 4 de novembro de 2017

Fomos felizes e não sabíamos.

De acordo com os reguladores e burocratas de hoje, todos nós que nascemos nos anos 40, 50 e princípios de 60, não devíamos ter sobrevivido até hoje, porque as nossas caminhas de bebé eram pintadas com cores bonitas, em tinta à base de chumbo que nós muitas vezes lambíamos e mordíamos.

Não tínhamos frascos de medicamentos com tampas 'à prova de crianças', ou fechos nos armários e podíamos brincar com as panelas.

Quando andávamos de bicicleta, não usávamos capacetes.
Quando éramos pequenos viajávamos em carros sem cintos e airbags, viajar à frente era um bónus.
Bebíamos água da mangueira do jardim e não da garrafa e sabia bem.
Comíamos batatas fritas, pão com manteiga e bebíamos gasosa com açúcar, mas nunca engordávamos porque estávamos sempre a brincar lá fora.
Partilhávamos garrafas e copos com os amigos e nunca morremos disso.
Passávamos horas a fazer carrinhos de rolamentos e depois andávamos a grande velocidade pelo monte abaixo, para só depois nos lembrarmos que esquecemos de montar uns travões. Depois de acabarmos num silvado aprendíamos.

Saíamos de casa de manhã e brincávamos o dia todo, desde que estivéssemos em casa antes de escurecer.

Estávamos incontactáveis e ninguém se importava com isso.

Não tínhamos Play Station, X Box. Nada de 40 canais de televisão, filmes de vídeo, home cinema, telemóveis, computadores, DVD, Chat na Internet.
Tínhamos amigos - se os quiséssemos encontrar íamos à rua.
Jogávamos ao elástico e à barra e a bola até doía! Caíamos das árvores, cortávamos-nos, e até partíamos ossos mas sempre sem processos em tribunal.
Havia lutas com punhos mas sem sermos processados. Aprendíamos a andar de bicicleta, na bicicleta do pai ou do vizinho e chegávamos a casa com os joelhos todos esfolados.
Batíamos ás portas de vizinhos e fugíamos e tínhamos mesmo medo de sermos apanhados.
Íamos a pé para casa dos amigos. Acreditem ou não íamos a pé para a escola;
Não esperávamos que a mamã ou o papá nos levassem.
Criávamos jogos com paus e bolas. Jogávamos à bola e brincávamos ao pião.
Jogávamos à carica e ao berlinde, às três covinhas.
As meninas jogavam às padrinhas e saltavam à corda. Brincavam às cazinhas e às enfermeiras.

Se infringíssemos a lei era impensável os nossos pais nos safarem.
Eles estavam do lado da lei.

Esta geração produziu os melhores inventores e desenrascados de sempre.
Os últimos 50 anos têm sido uma explosão de inovação e ideias novas.
Tínhamos liberdade, fracasso, sucesso e responsabilidade e aprendemos a lidar com tudo.

És um deles?

Parabéns!

Passa esta mensagem a outros que tiveram a sorte de crescer como verdadeiras crianças, antes dos advogados e governos regularem as nossas vidas, 'para nosso bem'.
Para todos os outros que não têm idade suficiente pensei que gostassem de ler acerca de nós. Isto, meu amigo é surpreendentemente medonho... E talvez ponha um sorriso nos vossos lábios.
A maioria dos estudantes que estão hoje nas universidades nasceu em 1986.
Chamam-se jovens. Nunca ouviram 'we are the world' e uptown girl conhecem de westlife e não de Billy Joel.
Nunca ouviram falar de Rick Astley, Banarama ou Belinda Carlisle.
Para eles sempre houve uma Alemanha e um Vietname.

A SIDA sempre existiu.
Os CD's sempre existiram.
O Michael Jackson sempre foi branco.
Para eles o John Travolta sempre foi redondo e não conseguem imaginar que aquele gordo fosse um dia um deus da dança.
Acreditam que Missão impossível e Anjos de Charlie são filmes do ano passado.
Não conseguem imaginar a vida sem computadores.
Não acreditam que houve televisão a preto e branco.

Agora vamos ver se estamos a ficar velhos:

1. Entendes o que está escrito acima e sorris.
2. Precisas de dormir mais depois de uma noitada.
3. Os teus amigos estão casados ou a casar.
4. Surpreende-te ver crianças tão à vontade com computadores.
5. Abanas a cabeça ao ver adolescentes com telemóveis.
6. Lembras-te da Gabriela (a primeira vez).
7. Encontras amigos e falas dos bons velhos tempos.

SIM, ESTÁS A FICAR VELHO/A heheheh , mas tivemos uma infância do caraças!

Maria Palmira, 81 anos, Viana do Castelo

Foto de: João Elvas


E eu que nasci em 65 identifico-me tanto com este texto, que esta linda senhora escreveu.

Todos nós desses anos, fomos felizes e não sabíamos. 

32 comentários:

  1. Eu nasci nos anos 80 e identifico-me com algumas dessas coisas :)

    beijinho
    The Midnight Effect / Instagram

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já não apanhaste o que era antes, era tudo tão bom Manuela :)
      Beijinho

      Eliminar
  2. Mena e refeletir sobre este belíssimo texto é bem importante!!!
    Sou de 57 ... fui feliz e apesar de toda esta modernice ... me sinto feliz uma vez que vou tentando que assim seja!
    bjoca

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahhhhh mas a nossa infância foi bem melhor :)

      Eliminar
  3. Amiga esqueceste-te dos meus 70 ;)
    Como me identifico com isto :0
    Bjinhosss
    https://matildeferreira.co.uk/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O texto não é meu lindona :) mas os de 70 também ainda apanharam muita coisa que os mais idosos :) no entanto acho que os melhores anos foram os anteriores a 50, passaram muita fome, mas em relação ao de hoje, foram certamente mais felizes.
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Eu sei :) Ja o partilhei ha muito tempo no meu perfil do facebook e adoro :)
      Podes crer, felizes com pouco :)
      Bjinhosss

      Eliminar
  4. Eu nasci em 91 e ainda apanhei algumas destas coisas. Tive uma infância feliz e espero, um dia mais tarde, proporcionar uma infância igualmente feliz a um/a filho/a, longe dos mil e um apetrechos atuais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E fazes bem Cláudia, há coisas que vieram e até «fazem jeito» mas é coisas a mais. O não dar tudo de mão beijada, nem dar tudo é a melhor preparação para o futuro.

      Eliminar
  5. Sou de 49 e adorei a minha infância. Passeia emAngola.
    Foi fantástica...
    Parabéns pelo magnífico texto.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem-se saúdades, ou eu tenho, às vezes olho para as crianças de hoje e sinto que não são felizes.
      Beijinho

      Eliminar
  6. Desde que me lembro ( e lembro-me de muitas coisas passadas antes de ir para a escola), sempre andei com um canivete. Era com ele que cortava as canas e os paus com que fazia carrinhos e cavalinhos.
    Tenho uma filha nascida em 82 e sempre que a vejo pegar numa faca para cortar pão, sinto um arrepio tão grande na espinha que lhe pergunto se não será melhor chamar primeiro o 112.
    Acho que ela nunca descascou uma peça de fruta, a não ser banana, que não precisa de faca. eheheh

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque lhas descascas? pois é, maus hábitos :)
      Nós estamos mais preparados para a vida do que os jovens de hoje.

      Eliminar
  7. Sou de 92, mas ainda consegui apanhar algumas dessas coisas. E espero transmiti-las a um filho/a

    r: Obrigada e boa semana :)
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  8. Pois... também sou dessas e era feliz e sabia :)) Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este texto não é meu GM, mas em tempos eu acreditei que as crianças/jovens eram hoje mais felizes que nós fomos, por terem tanta facilidade em tudo e sempre comida na mesa. Mas hoje, e por isso publiquei este texto, tenho a certeza que nós sim, fomos felizes.
      Beijinho

      Eliminar
  9. Faço parte da geração de 80 e também eu sorri ao ler o teu texto!

    Bjxxx
    Ontem é só Memória | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  10. Esse texto pode passar uns anos para a frente porque eu nasci nos anos 80 e também me identifico com o texto e li tudo de sorriso no rosto. ;) Beijinhos
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas de 40 a 80 muito evoluiu. Embora nos anos 80 ainda não houvesse tudo o que há hoje.

      Eliminar
  11. Os tempos mudam...
    Dá um telefone antigo (não muito antigo, daqueles de roda) a um adolescente. A um rapaz de 20 anos... Eles não sabem o que fazer àquilo. Parece até que nunca viram um filme com mais de 10 anos nem se interessam por histórias passadas noutras épocas em que se usavam telefones daqueles..

    É espantoso ver vídeos que há por aí de "putos" a carregar nos botões numéricos de um telefone de disco, a dizer que aquilo está avariado porque não acontece nada...

    Acho bom que os tempos tragam coisas novas mas acho mau que o que existiu se perca do conhecimento dos mais novos. AÍ é que reside o perigo. Cabe aos mais velhos explicar, mostrar, demonstrar. Eu tinha imensa curiosidade sobre coisas de «antigamente» mas poucos sabiam explicar. Contudo, sei olhar para um tanque de pedra e saber como usá-lo! Nasci na época da máquina de lavar que se liga à electricidade mas... sei como se fazia antes!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ahahahahah bem verdade, dá um tanque a um jovem que ele fica a olhar sem saber para que se usa. Sou a favor da modernização, da vida mais facilitada e claro que algumas coisas vieram melhorar muito a nossa vida,mas é demais o que hoje já existe.

      Eliminar
  12. Eu sou da geração de 80...mas confesso que tirando uma ou outra coisa... foi igual:) E sorri mesmo muito, éramos felizes, os miúdos de hoje em dia nunca vão saber o que era isso....

    ResponderEliminar
  13. Nasci em 1966, revejo-me em tudo o que está descrito, com excepção da bicicleta, nunca soube andar!
    Já nem me lembrava da Belinda Carlile.
    Sim, estamos a ficar velhos e então?

    ResponderEliminar
  14. Eu sou de 1987 e sim, fui bastante feliz. Tenho muita pena, todos os dias, do mundinho que estamos a criar, ou destruir, vá! :(

    Beijinho d'

    A Marta
    https://amartaeumblog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  15. Nasci em 91 e identifico-me muito com este texto!
    Saía de casa às 8.30h e voltava para almoçar. Voltava a sair e só davam por mim quando escurecia.
    Jogava à bola, ao peão, ao macaquinho do chinês, ao lenço, ao elástico, aos berlindes. Tocava às campainhas Ahah :)
    Tudo era saudável! Para nos encontrarmos com os amigos marcávamos hora frente à casa do amigo comum a todos e à hora marcada lá estava o grupinho pronto para uma tarde cheia de aventuras. A bicicleta era uma companhia.
    Brincava com os tupperwares!!!
    QUE SAUDADES!!! :')

    Hoje a minha sobrinha diz-me "Oh tia! Não sabes jogar? É fácil. Eu ensino-te... carregas neste botão para avançar. o quadrado para parar... já sabes que vou ganhar!"

    ResponderEliminar